top of page

Aprenda a deixar ir

Atualizado: 2 de mar. de 2023




O sofrimento reside no apego.


O psiquiatra John Bowlby desenvolveu a teoria do apego e diz que ele tem início ainda na infância na relação entre o cuidador e o bebê. O vínculo gerado nesta relação vai favorecer a sobrevivência da criança.


À medida que esse vínculo é fortalecido, a criança internaliza essa ligação como um modelo mental que servirá de base para as relações futuras.


O vínculo com os nossos cuidadores podem fortalecer três estilos de apego:


1. Seguro – quando os cuidadores são atenciosos, carinhosos e positivos. Estas crianças tendem a se tornar adultos mais confiantes.

2. Ansioso – aqui os cuidadores foram autoritários e emocionalmente inconstantes. A ansiedade despertada na criança vem do fato de ela não saber o que esperar do adulto.

3. Esquivo – se desenvolve à partir de experiência com cuidadores frios, distantes e indiferentes. Quando a criança tentou contato teve sua aproximação frustrada.


Entendemos então que de acordo com o contexto familiar um determinado tipo de apego será acentuado na criança em sua fase adulta e isso desenvolverá um perfil que tem mais ou menos facilidade em encerrar ciclos, mas os estilos de apego podem mudar com o tempo através de práticas terapêuticas e reflexões acerca do estilo de apego preponderante na vida da pessoa, favorecendo relações mais saudáveis.



Por onde eu posso começar?

O primeiro passo é compreender que o apego, independente do estilo, vai gerar uma emoção. Esta emoção foi criada à partir de um pensamento. Isso ocorre porque permanecemos contando e recontando histórias em nossa mente que sustentam o apego. Conforme a história é repetida em nossa mente ela vai gerar uma emoção que refletirá em nossas ações.


Reflita sobre o apego que você precisa liberar e os pensamentos que estão atrelados à ele.

Logo depois se conecte com as emoção que surge à partir desses pensamentos.

Permita-se sentir a emoção. A ideia não é interagir com os pensamentos, mas apenas se permitir sentir a emoção

O próximo passo é se perguntar: “Eu estou disposto a deixar esta emoção ir?” Nesse momento a emoção vai oscilar e finalmente suavizar.


Pode acontecer de haver uma forte resistência em deixar ir. Neste caso será importante fazer uma investigação de crenças para descobrir o que fortalece tal resistência.


Seguir praticando esta técnica é o que vai facilitar o soltar, então vamos resumi-la aqui:


Faça-se as seguintes perguntas quando reconhecer o apego em você:


O que estou pensando?

O que estou sentindo?

Eu estou me permitindo sentir esta emoção sem interagir com os pensamentos e sem julgar?

Eu estou disposto a deixar esta emoção ir?


Você colherá os frutos desta prática em pouquíssimo tempo se tiver constância e foco no exercício.


Me diga o que achou desta prática e envie o link para seus amigos que também precisam aprender isso.


Gratidão por ter lido até aqui, um grande beijo e até a próxima!











31 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page